Craniossinostoses
As Craniossinostoses podem ser Sindrômicas ou Não-Sindrômicas. Estas são as mais comuns, quando há o fechamento precoce de alguma sutura craniana provocando deformidade no crânio do bebê e podem levar a quadros de compressão do cérebro com prejuízo no desenvolvimento psicomotor dessas crianças. O diagnóstico precoce é muito importante para que seja avaliado por neurocirurgião com experiência em cirurgia craniofacial para que, se diagnosticado o problema, seja programada a cirurgia no tempo ideal, antes que complicações cerebrais, oculares ou respiratórias possam surgir.

As craniossinostoses sindrômicas são aquelas associadas a doenças genéticas como as Síndrome de Crouzon, Pfeifer, Apert e Saethre-Chotzen. Estas são muito mais complexas e envolvem várias etapas de tratamento cirúrgico, estratificadas conforme idade e gravidade da síndrome em questão.

As craniossinostoses não-sindrômicas costumeiramente são operadas entre os 4 meses e 9 meses de vida, tendo o bebê pelo menos 6 kg de peso,  e sem outras doenças em tratamento. Cada tipo de craniossinostose tem sua técnica cirúrgica em particular, mas todas elas visam restabelecer a complacência do "envelope" cerebral, onde o cirurgião faz cortes no osso liberando as tensões, do ápice à base craniana, e quando necessário, promove remodelamentos cranianos e avanços da barra supra-orbitária.

Todas as crianças operadas pelo Dr Alexandre são incluídas num rigoroso protocolo pré-operatório e de "checklist" per-operatório, intra e pós-operatório que traz grande satisfação para com os resultados funcionais e estéticos desse complexo procedimento.

(foto - imagem de Tomografia em 3D de fechamento precoce da sutura sagital - Escafocefalia)